quinta-feira, 4 de agosto de 2016

quinta-feira, 24 de março de 2016


Porquê é que o verdadeiro surge sempre no nevoeiro, sempre velado, e é tão exigente cumpri-lo ou reproduzi-lo? Umas das razões é seguramente a pressa  e a falta de calma de quem o persegue: o seu passo -- pressupondo sempre a completude -- é demorado e quem o ultrapassa não o reconhece.
Aproxima-se sempre a tempestade, o fim é inevitável; o tempo tudo e todos transforma em pó.
Onde estais senão na minha memória? A minha memória que cresce até já não caber na minha cabeça.





terça-feira, 8 de dezembro de 2015

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

segunda-feira, 20 de abril de 2015


[Nascemos para sermos heróis]
O medo: o medo empurra-nos para o enfrentarmos: é a forma de o ultrapassarmos. É por aí que encontramos a nossa amada adrenalina. (De que sou, desde sempre, adicto).


domingo, 12 de abril de 2015


Por vezes é preciso mais coragem para desistir do que para insistir.







terça-feira, 7 de abril de 2015






Desenhar, para mim, sempre foi fácil: limitou-se sempre a acender um rastilho, a preencher um sulco pré-existente, a colorir a negro um traço a branco numa folha em branco.